Sara Marques dos Santos

Leiria é a sua cidade de coração, onde viveu desde os 7 anos até ter saído para Lisboa estudar Direito. Sempre foi direito por linhas tortas, porque apesar de se considerar competente no que fazia, essa nunca foi a sua profissão de eleição.
10 anos depois de se tornar advogada e quando era directora jurídica duma instituição financeira, a vida pregou-lhe a maior partida de todas e foi mãe de um filho que ninguém espera, com uma paralisia cerebral severa.

Deixou a profissão e dicou-se de corpo e alma, por Portugal e pelo mundo, ao filho, na procura da cura. Criou o blogue portiq.blgspot.pt, onde contava tudo sobre o dia-a-dia e onde conheceu muitas mães nas mesmas condições, algumas delas, hoje suas melhores amigas, pois essas, sim, entendiam a dor que lhe atravessa o coração. Criou a primeira clínica destinada exclusivamente à reabilitação infantil e foi candidata à direcção da Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa.

Porque percebeu que a alimentação era um dos pilares mais importantes da vida do seu filho e dos poucos que podia efectivamente contribuir, estudou tudo o que se fazia lá fora e formou-se em Health Coach de nutrição integrativa e em macrobiótica.

Hoje com 41 anos, é mãe de 3 filhos. Costuma dizer que ter 2 é fácil mas dar colo a 3, isso é que é difícil.

Porque a vida lhe deu uma tarefa difícil, tirou dela as coisas boas que podia. Não abdica de ir buscar os filhos à escola, mudou de vida profissional, e acredita que todos deviam ter essa oportunidade pelo menos uma vez na vida.

É autora do blogue de vida e alimentação saudável sdesalada.com, dá workshops de culinária saudável, e é autora do livro de pequenos-almoços caseiros saudáveis “As manhãs da Leonor”.
Gosta da alquimia dos alimentos e de criar receitas, passa horas no seu supermercado biológico preferido e ainda vai ser instrutora de Yoga. Acredita que a alimentação saudável é um modo de vida e que é de todo a nossa maior influência para uma mente e corpo saudáveis.

Faz mil coisas, tem mil e um planos mas tem poucos sonhos: a cura para o seu filho; saúde para quem gosta e dos que gostam de si; e, depois da reforma, viver pelo mundo, 6 meses em cada local para poder ter a experiência do dia-a-dia. Não sabe se há tempo suficiente mas acredita que o vai fazer.

Adora os beijinhos e abraços dos seus filhos mas a vida de mãe a tempo inteiro depois das 16 horas não é tarefa fácil e às vezes acha que não tem assim tanta vocação.
Acredita que há espaço para todos no mundo e detesta que se aproveitem de si.

No seu coração estão sempre os que gostam de si e todas as famílias de crianças com doenças sem cura.
Mais em: